• Pelos Arredores

    Lugares e Meio Ambiente

    Exercício em Cosmopolítica

    Lugares, Vizinhança, e Meio Ambiente (!!!)

  • 1. Introdução

  • 2. Lugares

  • 3. Rodeios

  • 4. Vizinhança

  • 5. Conclusão

  • DEZ 30: Outline

    1. Do que o corpo é capaz [Spinoza]: de estar em um lugar
    2. Um mundo feito de montagens [Geografia dos afetos e *assemblages*]: o movimento do aprender
    3. Lugares e vizinhanças [repovoar o mundo]: remontar as alianças de acordo com os modos de existência
    4. Políticas para o meio ambiente: ontologia [e cosmopolítica]: uma versão cinematográfica dos lugares
      (de onde eu comecei… :)
  • Hélène Cixous

    La venue de l’écriture (1976). In: Entre l’Écriture. Paris : des femmes, 1986, 8-55.

    Au commencement, j’ai adoré. Ce que j’adorais était humain. Pas des personnes, pas des nommeés, des êtres dénommés et délimités. Mais des signes. Des clins d’être qui me frappaient, qui m’incendiaient. Des fulgurations qui vanaient à moi : Regarde ! Je m’embrasai. Et le signe se retirait. Disparaissait. Cependant que je brûlais et me consumais entièrement. Ce qui m’arrivait, si puissamment lancé depuis un corps mystères y étaient inscrits, gardés, j’étais devant, je pressentais qu’il y avait un au-delà, auquel je n’avais pas accès, un là sans limites, le regard me pressait, m’interdisait d’entrer, j’étais dehors, dans un guet animal. Un désir cherchait sa demeure. J’étais ce désir. J’étais la question. Etrangeté du destin de la question : chercher, poursuivre les réponses qui la calment, qui l’annulent. Ce qui l’anime, la lève, lui donne envie de se poser, c’est l’impression que l’autre est là, si proche, existe, si loin, qu’il y a, quelque part, au monde, une fois passée la porte, la face qui promet, la réponse pour laquelle on continue à se mouvoir, à cause de laquelle on ne peut se reposer, pour l’amour de laquelle on se retient de renoncer, de se laisser aller ; à mourir. Quel malheur pourtant, s’il arrivait à la question de rencontrer sa réponse ! Sa fin ! (9-10)

  • Hélène Cixous

    Coming to writing (1976). In: Coming to Writing and Other Essays. Harvard University Press, 1991, 1-58, translated by Deborah Jenson.

    In the beginning, I adored. What I adored was human. Not persons; not totalities, not defined and named beings. But signs. Flashes of being that glanced off me, kindling me. Lightning-like bursts that came to me: Look! I blazed up. And the sign withdrew. Vanished. While I burned on and consumed myself wholly. What had reached me, so powerfully cast from a human body, was Beauty: there was a face, with all the mysteries inscribed and preserved on it; I was before it, I sensed that there was a beyond, to which I did not have access, an unlimited place. The look incited me and also forbade me to enter; I was outside, in a state of animal watchfulness. A desire was seeking its home. I was that desire. I was the question. The question with this strange destiny: to seek, to pursue the answers that will appease it, that will annul it. What prompts it, animates it, makes it want to be asked, is the feeling that the other is there, so close, exists, so far away; the feeling that somewhere, in some part of the world, once it is through the door, there is the face that promises, the answer for which one continues to move onward, because of which one can never rest, for the love of which one holds back from renouncing, from giving in—to death. Yet what misfortune if the question should happen to meet its answer! Its end! (1)

  • Vazio

    Cheio

    Povoar

  • Um Ali Sem Limites

    ou Um Ali Ilimitado
    ou Um Logo Ali Ilimitado

    1. Estar
    2. Montar
    3. Remontar
    4. Lugares: becoming-places + minoritarian spaces | compor, povoar e andar por
  • Arredores ilimitados

    1. Estar
    2. Montar e remontar
    3. Devir-lugares
    4. Compor, povoar e andar pelos lugares
  • Arredores

    1. Estar: Povoar os lugares
    2. Compor: Montar os lugares
    3. Devir: Andar pelos lugares
  • Lugares

    1. Habitar os lugares: Etologia
      Foucault, Spinoza
    2. Montar os lugares: Afetos, aprendizados e agenciamentos
      ou (re)montar?
    3. Enquadrar os lugares: Uma versão cinematográfica dos lugares
      ontologia, cosmopolítica, devir

  • tradução do francês, via Google

    No começo, eu adorei. O que eu amei era humano. Nenhum povo , e não o todo , seres nomeados e definidos. Mas os sinais . Winks ser batedores , que me incediaient . Relâmpagos que me vanaient : Olha! Eu embrasai . E o sinal aposentado . Desaparecidos . No entanto, eu estava queimando e totalmente me consumais . O que aconteceu comigo , tão poderosamente lançado de um mistérios do corpo foram matriculados , mantido, eu estava à frente , senti que havia uma vida após a morte , o que eu não tinha acesso , em seguida, sem limitações , olhar me pressionou , me proibiu de entrar , eu estava do lado de fora em um relógio animal. Um desejo procurava a sua casa. Eu tinha esse desejo. Eu era a questão. Estranheza of Fate da pergunta : buscar , buscar respostas a calma , que cancelou . O que anima a ascensão, dá vontade de perguntar -se a impressão de que o outro está ali, tão perto, tão longe, que há , em algum lugar do mundo, uma Uma vez passado o portão, o cara que promete a resposta para o que continuamos a mover-se, por causa de que não podemos descansar , por causa do que nós retemos a renunciar , deixar ir, para morrer. Que pena , no entanto , se a questão veio a conhecer a sua resposta! Fim !

  • tradução do inglês, via Google

    No começo, eu adorava . O que eu adorava era humano. Não pessoas, não totalidades , não definidos e nomeados os seres. Mas os sinais . Flashes de ser que olhou de cima de mim , me acender . Rajadas de relâmpago , como que veio a mim : Olha! Eu brilhou . E o sinal se retirou. Desapareceu. Enquanto eu queimava em mim e consumidos totalmente . O que me tinha chegado , tão poderosamente lançado a partir de um corpo humano, era de beleza: não havia um rosto, com todos os mistérios inscritos e conservados a ele , eu estava antes , eu senti que havia um mais além, para o qual eu não tinha acesso , um lugar sem limites. O olhar me incitou e também me proibiu de entrar , eu estava do lado de fora , em um estado de vigilância animal. Um desejo buscava sua casa. Eu era esse desejo. Eu era a questão. A questão com esse estranho destino : buscar , para prosseguir as respostas que vai apaziguar -lo, que vai anular isso. O que leva -o , anima -o , torna-o querer ser perguntado, é o sentimento de que o outro está ali, tão perto, existe, tão longe , a sensação de que em algum lugar, em alguma parte do mundo, uma vez que é através da porta , não é o rosto que promete , a resposta para a qual se continua a se mover para a frente, por causa de que nunca se pode descansar , pelo amor de qual impede de renunciar , de ceder - a morte. Contudo, o que o infortúnio se a questão deveria acontecer para atender a sua resposta! O seu fim!

{"cards":[{"_id":"357033950ef2df2dd1000018","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":1,"parentId":null,"content":"# Pelos Arredores\n## Lugares e Meio Ambiente\n## Exercício em Cosmopolítica\n## Lugares, Vizinhança, e Meio Ambiente (**!!!**)"},{"_id":"3570379b0ef2df2dd1000019","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":8835857,"position":1,"parentId":"357033950ef2df2dd1000018","content":"## 1. Introdução\n\n[X] algumas idéias\n[ ] Stengers e Deleuze\n[ ] como **povoar** os lugares"},{"_id":"357043930ef2df2dd100001e","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":1,"parentId":"3570379b0ef2df2dd1000019","content":"## Vazio\n\n## Cheio\n\n## Povoar"},{"_id":"3570395e0ef2df2dd100001a","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":2,"parentId":"357033950ef2df2dd1000018","content":"## 2. Lugares\n\n[ ] Latour e Deleuze (?)\n[ ] como **compor** os lugares"},{"_id":"35703a7e0ef2df2dd100001b","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":3,"parentId":"357033950ef2df2dd1000018","content":"## 3. Rodeios\n\n[ ] Serres e Deleuze (?)\n[ ] como **andar** pelos lugares"},{"_id":"35703b580ef2df2dd100001c","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":4,"parentId":"357033950ef2df2dd1000018","content":"## 4. Vizinhança\n\n[ ] Sousa, Stengers e Deleuze\n[ ] como **pensar `cinematograficamente`** os lugares"},{"_id":"35703d950ef2df2dd100001d","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":5,"parentId":"357033950ef2df2dd1000018","content":"## 5. Conclusão\n\n[ ] ainda `não` sei o que colocar neste capítulo\n[ ] *becoming-places*\n[ ] *minoritarian places* "},{"_id":"3c12764381cbc538fa000022","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":6,"parentId":"357033950ef2df2dd1000018","content":"##DEZ 30: *Outline*\n1. Do que o corpo é capaz [`Spinoza`]: de **estar** em um lugar\n1. Um mundo feito de **montagens** [`Geografia dos afetos e *assemblages*`]: o movimento do aprender\n1. Lugares e vizinhanças [`repovoar o mundo`]: **remontar** as alianças de acordo com os modos de existência\n1. Políticas para o meio ambiente: ontologia [`e cosmopolítica`]: uma versão cinematográfica dos **lugares**\n(de onde eu comecei... :)"},{"_id":"3c12770b81cbc538fa000023","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":1,"parentId":"3c12764381cbc538fa000022","content":"##Um Ali Sem Limites \nou Um Ali Ilimitado\nou Um Logo Ali Ilimitado\n1. Estar\n1. Montar\n1. Remontar\n1. Lugares: *becoming-places* + *minoritarian spaces* | compor, povoar e andar por"},{"_id":"3face28e88bd669ea4000032","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":1.5,"parentId":"3c12764381cbc538fa000022","content":"##Arredores ilimitados\n1. Estar\n1. Montar e remontar\n1. Devir-lugares\n1. Compor, povoar e andar pelos lugares"},{"_id":"3face1b188bd669ea4000031","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":2,"parentId":"3c12764381cbc538fa000022","content":"##Arredores\n1. Estar: Povoar os lugares\n1. Compor: Montar os lugares\n1. Devir: Andar pelos lugares"},{"_id":"3face40488bd669ea4000033","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":3,"parentId":"3c12764381cbc538fa000022","content":"##Lugares\n\n1. Habitar os lugares: Etologia\n `Foucault, Spinoza`\n1. Montar os lugares: Afetos, aprendizados e agenciamentos\n ` ou (re)montar?`\n1. Enquadrar os lugares: Uma versão cinematográfica dos lugares\n `ontologia, cosmopolítica, devir`\n---\n[ ] outline\n[ ] temas"},{"_id":"3c13b31381cbc538fa000027","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":7,"parentId":"357033950ef2df2dd1000018","content":"##Hélène Cixous\n\nLa venue de l'écriture (1976). In: *Entre l'Écriture*. Paris : des femmes, 1986, 8-55.\n>Au commencement, j'ai adoré. Ce que j'adorais était humain. Pas des personnes, pas des nommeés, des êtres dénommés et délimités. Mais des signes. Des clins d'être qui me frappaient, qui m'incendiaient. Des fulgurations qui vanaient à moi : Regarde ! Je m'embrasai. Et le signe se retirait. Disparaissait. Cependant que je brûlais et me consumais entièrement. Ce qui m'arrivait, si puissamment lancé depuis un corps mystères y étaient inscrits, gardés, j'étais devant, je pressentais qu'il y avait un au-delà, auquel je n'avais pas accès, **un là sans limites**, le regard me pressait, m'interdisait d'entrer, j'étais dehors, dans un guet animal. Un désir cherchait sa demeure. J'étais ce désir. J'étais la question. Etrangeté du destin de la question : chercher, poursuivre les réponses qui la calment, qui l'annulent. Ce qui l'anime, la lève, lui donne envie de se poser, c'est l'impression que l'autre est là, si proche, existe, si loin, qu'il y a, quelque part, au monde, une fois passée la porte, la face qui promet, la réponse pour laquelle on continue à se mouvoir, à cause de laquelle on ne peut se reposer, pour l'amour de laquelle on se retient de renoncer, de se laisser aller ; à mourir. Quel malheur pourtant, s'il arrivait à la question de rencontrer *sa* réponse ! Sa fin ! (9-10)"},{"_id":"3c13c0a281cbc538fa00002a","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":1,"parentId":"3c13b31381cbc538fa000027","content":"##tradução do francês, via Google\nNo começo, eu adorei. O que eu amei era humano. Nenhum povo , e não o todo , seres nomeados e definidos. Mas os sinais . Winks ser batedores , que me incediaient . Relâmpagos que me vanaient : Olha! Eu embrasai . E o sinal aposentado . Desaparecidos . No entanto, eu estava queimando e totalmente me consumais . O que aconteceu comigo , tão poderosamente lançado de um mistérios do corpo foram matriculados , mantido, eu estava à frente , senti que havia uma vida após a morte , o que eu não tinha acesso , em seguida, sem limitações , olhar me pressionou , me proibiu de entrar , eu estava do lado de fora em um relógio animal. Um desejo procurava a sua casa. Eu tinha esse desejo. Eu era a questão. Estranheza of Fate da pergunta : buscar , buscar respostas a calma , que cancelou . O que anima a ascensão, dá vontade de perguntar -se a impressão de que o outro está ali, tão perto, tão longe, que há , em algum lugar do mundo, uma Uma vez passado o portão, o cara que promete a resposta para o que continuamos a mover-se, por causa de que não podemos descansar , por causa do que nós retemos a renunciar , deixar ir, para morrer. Que pena , no entanto , se a questão veio a conhecer a sua resposta! Fim !"},{"_id":"3c13b6fe81cbc538fa000028","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":8,"parentId":"357033950ef2df2dd1000018","content":"##Hélène Cixous\nComing to writing (1976). In: *Coming to Writing and Other Essays*. Harvard University Press, 1991, 1-58, translated by Deborah Jenson.\n>In the beginning, I adored. What I adored was human. Not persons; not totalities, not defined and named beings. But signs. Flashes of being that glanced off me, kindling me. Lightning-like bursts that came to me: Look! I blazed up. And the sign withdrew. Vanished. While I burned on and consumed myself wholly. What had reached me, so powerfully cast from a human body, was Beauty: there was a face, with all the mysteries inscribed and preserved on it; I was before it, I sensed that **there was a beyond**, to which I did not have access, **an unlimited place**. The look incited me and also forbade me to enter; I was outside, in a state of animal watchfulness. A desire was seeking its home. I was that desire. I was the question. The question with this strange destiny: to seek, to pursue the answers that will appease it, that will annul it. What prompts it, animates it, makes it want to be asked, is the feeling that the other is there, so close, exists, so far away; the feeling that somewhere, in some part of the world, once it is through the door, there is the face that promises, the answer for which one continues to move onward, because of which one can never rest, for the love of which one holds back from renouncing, from giving in--to death. Yet what misfortune if the question should happen to meet *its* answer! Its end! (1)"},{"_id":"3c13bdbe81cbc538fa000029","treeId":"3570336b0ef2df2dd1000015","seq":1,"position":1,"parentId":"3c13b6fe81cbc538fa000028","content":"##tradução do inglês, via Google\nNo começo, eu adorava . O que eu adorava era humano. Não pessoas, não totalidades , não definidos e nomeados os seres. Mas os sinais . Flashes de ser que olhou de cima de mim , me acender . Rajadas de relâmpago , como que veio a mim : Olha! Eu brilhou . E o sinal se retirou. Desapareceu. Enquanto eu queimava em mim e consumidos totalmente . O que me tinha chegado , tão poderosamente lançado a partir de um corpo humano, era de beleza: não havia um rosto, com todos os mistérios inscritos e conservados a ele , eu estava antes , eu senti que havia um mais além, para o qual eu não tinha acesso , um lugar sem limites. O olhar me incitou e também me proibiu de entrar , eu estava do lado de fora , em um estado de vigilância animal. Um desejo buscava sua casa. Eu era esse desejo. Eu era a questão. A questão com esse estranho destino : buscar , para prosseguir as respostas que vai apaziguar -lo, que vai anular isso. O que leva -o , anima -o , torna-o querer ser perguntado, é o sentimento de que o outro está ali, tão perto, existe, tão longe , a sensação de que em algum lugar, em alguma parte do mundo, uma vez que é através da porta , não é o rosto que promete , a resposta para a qual se continua a se mover para a frente, por causa de que nunca se pode descansar , pelo amor de qual impede de renunciar , de ceder - a morte. Contudo, o que o infortúnio se a questão deveria acontecer para atender a sua resposta! O seu fim!"}],"tree":{"_id":"3570336b0ef2df2dd1000015","name":"Pelos Arredores","publicUrl":"pelos-arredores"}}